Bannière

[ Inscrivez-vous ]

Newsletter, Alertes

Isenção de vistos de entrada para turistas europeus adiada para maio próximo

Imprimer PDF

Praia, Cabo Verde, 10  Janeiro (Infosplusgabon) - A isenção de vistos de entrada em Cabo Verde para cidadãos europeus e do Reino Unido, por um período de até 30 dias, só vai acontecer em maio próximo, em vez de no primeiro dia deste ano de 2018, a pedido dos operadores turísticos, apurou a Infosplusgabon, quarta-feira, na cidade da Praia de fonte oficial.

 

Conforme uma nota divulgada pelo Ministério da Administração Interna, a decisão foi tomada porque os operadores turísticos aconselharam o Governo para que esta medida coincida com a nova a época turística que se iniciará nessa altura.

 

A alteração ao regime jurídico de entrada, permanência, saída e expulsão de estrangeiros é um decreto regulamentar que introduzirá alterações à taxa de segurança aeroportuária foi aprovada em Conselho de Ministros em maio do ano transato e um mais mais tarde no Parlamento.

 

Na altura, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire, garantiu que a isenção iria entrar em vigor em janeiro corrente, indicando que seria ainda criada uma plataforma informática para permitir o registo prévio dos visitantes que se deslocarem a Cabo Verde.

 

A plataforma na Internet foi aprovada por portaria conjunta dos membros do Governo responsáveis pela Administração Interna e pelas Relações Exteriores, mas caberá à Direção de Estrangeiros e Fronteiras (DEF) a concessão dos vistos.

 

A proposta de lei foi levada ao Parlamento e aprovada em votação final global em outubro do ano passado, estipulando que a isenção devia entrar em vigor a 01 de janeiro de 2018.

 

Este é o segundo adiamento deste projeto já que a medida foi anunciada em abril do ano passado pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, para vigorar a partir de mês seguinte do mesmo ano.

 

A medida suscitou polémica e a oposição de vários quadrantes por não prever a reciprocidade de isenção de vistos para a entrada de cidadãos cabo-verdianos na União Europeia e pela potencial perda de receitas que irá representar para o país.

 

O consultor para a área do turismo, Vitor Fidalgo, foi dos primeiros a criticar a medida anunciada pelo Governo defendendo que “seria bom para Cabo Verde que essa proposta de lei não avançasse”.

 

Numa entrevista ao jornal “Expresso das Ilhas”, o especialista que participou na concepção e materialização de alguns projetos turísticos no arquipélago, disse que “o Governo está a ver esta problemática de forma errada".

 

"Já não estamos nos anos 80, onde o número de estrangeiros que entravam em Cabo Verde andava à volta de 20 mil, 30 mil. Era uma coisa marginal e o turismo não estava na ordem do dia da agenda económica do Governo, ou seja não fazia parte das preocupações fundamentais", argumentou.

 

A seu ver, a partir dos anos 1990, com mudanças fundamentais de vários paradigmas, nomeadamente no domínio económico, o turismo começou a merecer a atenção e tornou-se mesmo no setor que oferecia melhores perspetivas de crescimento.

 

Acrescentou que, a partir de 2000, claramente, ele se transformou-se no motor da economia nacional.

 

"Em 2016, recebemos 598 mil turistas estrangeiros [números do Banco de Cabo Verde e do INE (Instituto Nacional de Estatística)], portanto, já não estamos a falar da simples passagem de estrangeiros. É uma questão económica. São pessoas que vêm para passar 5, 7 ou 10 dias, numa certa localidade", enfatizou.

 

Também o antigo primeiro-ministro, José Maria Neves, criticou esta medida, realçando que, desde o início das negociações para a Parceria Especial entre Cabo Verde e União Europeia “ficou muito claro, desde a hora zero, que a Parceria só faria sentido se Cabo Verde estivesse devidamente ancorado na CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental)".

 

Aliás, a importância geoestratégica de Cabo Verde passa pela sua inserção ativa na região oeste-africana e esta é a pedra basilar do nosso relacionamento com a Europa e o Mundo", frisou.

 

É com base nestas explicações que José Maria Neves entende como “uma medida absurda” esta decisão do Governo. “Nem os Europeus, eventualmente apanhados de surpresa, entenderão esta medida”, martelou o ex-chefe de Governo cabo-verdiano.

 

Cabo Verde tem recebido, nos últimos anos, uma média de 500 a 600 mil turistas por ano, mas o país quer chegar a um milhão até 2021.

 

Reino Unido, Alemanha, Bélgica, Holanda e Portugal são os principais países emissores de turistas para o arquipélago cabo-verdiano, onde o turismo já é o principal setor da economia do país, responsável por 20 porcento do Produto Interno Bruto (PIB).

 

 

FIN/INFOSPLUSGABON/POL/SER/2017

 

 

© Copyright Infosplusgabon

Qui est en ligne!

Nous avons 2616 invités en ligne

Publicité

Liaisons Représentées:

Newsflash

Le  1er novembre  2017 à  Montpellier,  le Chef de l’Etat Pied-Noir, Pierre  Granès,  a  constitué  le gouvernement  tant attendu  de  la  " Fédération des  Deux Rives". Une avancée importante  qui  devrait  fédérer les  indécis et  mobiliser  plus  que jamais des Hommes et  des  Femmes dans  le nouvel Etat. Autour de Jacques Villard, Président du Conseil des Ministres et Porte-parole du Gouvernement Pied-Noir en  exil,  et du  Président de l’Assemblée nationale, Christian Schembré,   le train du  renouveau  a  bien quitté  la gare…