Bannière

[ Inscrivez-vous ]

Newsletter, Alertes

Rwanda rejeita alegações de HRW sobre detenções ilegais e tortura em seu território

Imprimer PDF

Kigali, Rwanda, 12  Outubro (Infosplusgabon) -  O procurador-geral do Rwanda rejeitou quarta-feira um novo relatório da Human Rights Watch (HRW), sobre a situação dos direitos humanos no país, considerando-o como "um quadro controverso".

 

O também ministro rwandês da Justiça referia-se a um documento da HWR de 91 páginas intitulado « Forçar-vos-emos a confessar a Tortura e a Detenção Ilegais no Rwanda ».

 

Segundo o mesmo, 104 pessoas tinham sido ilegalmente detidas e, várias vezes, torturadas ou maltratadas em centros de detenção militares rwandeses entre 2010 e 2016.

 

Além disso, o relatório alega que vários reclusos, incluindo civis e antigos combatentes rebeldes das FDLR (Forças Democráticas para a Libertação do Rwanda), foram capturados no Rwanda por soldados rwandeses, às vezes com a cumplicidade da Polícia, dos Serviços da Inteligência ou das autoridades locais.

 

Em reação a este documento, o governante rwandês declarou-o "não verídico, ultrapassado, não credível, infundado e desprovido de provas".

 

«  O Rwanda é signatário e respeita a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura bem como as leis nacionais », defendeu Busingye num comunicado transmitido à PANA em Kigali.

 

«O relatório inscreve-se no prolongamento dum programa enraizado e vingativo contra o Rwanda », indignou-se o governante, advertindo que acabará por vir à tona a verdade sobre os intentos da HRW.

 

 

FIN/INFOSPLUSGABON/IKP/GABON 2017

 

 

© Copyright Infosplusgabon

Qui est en ligne!

Nous avons 1841 invités en ligne

Publicité

Liaisons Représentées:

Newsflash

PARIS, France, 25 septembre (Infosplusgabon) - Le gouvernement a présenté aux associations d’élus locaux, vendredi 22 septembre, les dispositions du projet de finances pour 2018 qui concerneront les collectivités locales. Au menu : contractualisation entre les préfets et les exécutifs locaux, plafonnement des dépenses de fonctionnement et mise en place d’un système de bonus-malus.

 

FIN/INFOSPLUSGABON/AZP/GABON 2017

 

© Copyright Infosplusgabon